Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Liberty, proprietária da F1, adquire controlo da Fórmula E através de uma "entidade diferente"

O panorama do desporto automóvel está a mudar
O panorama do desporto automóvel está a mudar Reuters
A Liberty Global vai adquirir uma participação de 65% no campeonato mundial de corridas de carros eléctricos de Fórmula E, depois de comprar a Warner Bros Discovery, anunciou esta quinta-feira.

A aquisição, uma vez concluída, deixará a Liberty Global no controlo de um campeonato sancionado pela FIA, que se aproxima do final da sua 10.ª época. A empresa de telecomunicações detinha anteriormente cerca de 35% das ações. Não foram fornecidos quaisquer pormenores financeiros.

Enquanto a Liberty Global controlará a Fórmula E, a Liberty Media é a detentora dos direitos comerciais da Fórmula 1, que é muito maior e mais antiga. Ambas as empresas são presididas pelo bilionário americano John Malone.

A Liberty Media anunciou também, em abril, a aquisição do campeonato mundial de motociclismo MotoGP, sujeita a autorização anti-trust.

O CEO da Liberty Global, Mike Fries, afirmou que as duas empresas são entidades diferentes e que ficaria surpreendido se a propriedade comum de um indivíduo criasse um problema.

"Este é um momento crucial na Fórmula E", disse à Reuters numa videochamada.

"A Fórmula E precisa de capital e precisa de convicção. Estamos absolutamente empenhados em fornecer essas duas coisas neste momento crítico. Se olharmos para a trajetória da série, tem sido incrível, o desempenho dos carros, a qualidade das equipas que temos, a amplitude do calendário, o aumento de fãs", acrescentou.

"Todas estas coisas são, do nosso ponto de vista, ventos favoráveis, mas não se pode aproveitar esses ventos favoráveis se não se tiver capital e convicção", defendeu Mike Fries.

Fries disse que a Liberty Global pretende continuar a financiar a série até atingir o ponto de equilíbrio, um ponto que ele vê como não estando muito longe.

Na quarta-feira, a Fórmula E anunciou um calendário de 17 corridas em 11 locais, com duas provas em Xangai, Tóquio, Berlim, Londres, Mónaco e Arábia Saudita. A série também reivindica uma audiência de quase 400 milhões de espectadores em todo o mundo.

O CEO da série, Jeff Dodds, disse que os restantes 35% eram detidos por um grande número de pequenos acionistas, incluindo o Fundo de Investimento Público da Arábia Saudita (PIF), com cerca de 5%, e o fundador Alejandro Agag.

Dodds disse que a Fórmula E está a crescer rapidamente e pode eventualmente desafiar a supremacia da Fórmula 1 como o maior campeonato, uma posição que disse ser mais confiança na tecnologia do que apenas conversa de luta.

"O carro evo da geração 3 que entrará em pista a partir do final deste ano chega aos 100 km/h cerca de 30% mais rápido do que o atual carro de Fórmula 1", afirmou.

"Dois anos depois de esse carro ser lançado, passaremos para a geração 4... esse carro andará mais tempo e será materialmente mais rápido. O desempenho do nosso carro num futuro muito próximo será equivalente ao de um carro de Fórmula 1", explicou.

Ao mesmo tempo, o limite de custos da Fórmula E, de 13 milhões de euros por equipa, compara-se com os 140 milhões de dólares da Fórmula 1.