Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fórmula 1: Leclerc admite que duplo fracasso da Ferrari no GP do Canadá "dói"

A Ferrari teve dificuldades no Canadá
A Ferrari teve dificuldades no CanadáAFP
Duas semanas após o emocionante triunfo da Ferrari no Grande Prémio do Mónaco, Charles Leclerc recusou culpar a equipa depois de ele e Carlos Sainz não terem conseguido terminar o Grande Prémio do Canadá.

Leclerc disse que um problema com a unidade de potência do seu carro arruinou as esperanças de uma corrida forte, apesar de ter começado em 11.º na grelha, um lugar à frente de Sainz, já que a equipa saboreou o seu primeiro fracasso na Q3 desde 2021.

"Honestamente, não há muito mais a dizer além de que o problema do motor nos custou tudo. A certa altura, decidimos tentar usar os macios. Tínhamos de tentar alguma coisa porque, com os nossos problemas de motor, teríamos ficado fora dos pontos de qualquer forma. E foi isso. Estávamos a perder um segundo e meio na primeira reta, por isso temos de analisar o problema do motor porque vai ser complicado para o resto da época", disse.

Também quis evitar uma reação exagerada.

"Não quisemos exagerar depois do Mónaco, e também não devemos exagerar depois deste, mas este dói. Eram pontos importantes para a equipa com os dois carros que desistiram e que vamos perder para os nossos concorrentes. Em termos de motor, é algo que temos de analisarOntem, falhámos a Q3 por três centésimos de segundo. Definitivamente, não estávamos a sentir-nos bem com o carro e temos de trabalhar nisso e tentar perceber o que correu mal", apontou.