Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Reportagem: Perto da linha da frente na Ucrânia, gémeas treinam para os Jogos Olímpicos

Maryna e Vladyslava Aleksiiva
Maryna e Vladyslava AleksiivaAFP
As sirenes dos aviões tocam, enquanto as nadadoras artísticas Maryna e Vladyslava Aleksiiva descansam durante o seu único dia de folga em Kharkov, na Ucrânia. O seu rigoroso programa de treino deverá levá-las até aos Jogos Olímpicos de Paris.

As irmãs gémeas são as estrelas da equipa ucraniana, medalha de bronze em Tóquio-2020, que se deslocou a esta grande cidade do noroeste do país para treinar, apesar da proximidade da linha da frente e dos bombardeamentos regulares.

Após a invasão russa, a equipa mudou-se para Itália, depois para Kiev e, finalmente, regressou à segunda cidade da Ucrânia, onde a situação é mais tensa do que na capital, mas onde vivem os seus entes queridos e amigos.

"Por vezes, durante os alertas aéreos, ficámos um pouco preocupadas com o que se estava a passar", admite Vladyslava.

"Sentimos que era uma guerra", explica à AFP.

"Houve muitos bombardeamentos no inverno do ano passado. Veremos o que vai acontecer. Mas, de momento, estamos a ficar em Kharkov", continua Vladyslava.

Num domingo, o único dia em que não treinam, as gémeas de 22 anos tomaram um café com o marido de Vladyslava, Kyrylo, de 23 anos. Depois, foram para o apartamento de Maryna.

Vladyslava, que se casou em fevereiro, vive na casa ao lado. Na casa de Maryna, em cima de uma mesa, há uma coleção de medalhas, especialmente a medalha de bronze por equipas, dos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020.

"Não importa o que está em causa na guerra"

"É verdadeiramente o momento mais importante da nossa vida", sublinha Vladyslava, sentada com a irmã e de pernas cruzadas no sofá.

"Independentemente da guerra", acrescenta Maryna, com cada irmã a terminar a frase da outra.

A equipa espera qualificar-se para os Jogos Olímpicos, que se realizam dentro de menos de nove meses, na disciplina feminina, anteriormente conhecida como natação sincronizada.

O edifício da piscina de treino em Kharkov foi danificado por um míssil russo, em setembro, e as janelas partidas ainda não foram substituídas. Também não há gerador para o caso de o aquecimento central ser cortado, mas a piscina continua intacta.

"A água é quente", diz Maryna.

"Podemos treinar o tempo que quisermos", acrescenta Vladyslava.

"Não há ninguém por perto. É por isso que o nosso treinador gosta tanto de estar aqui", conclui Maryna, enquanto uma sirene de alerta aéreo soa entre as suas frases.

"É uma ocorrência regular. Todos os dias há cerca de cinco ou seis. À noite também", esclarece Maryna, calmamente.

Por vezes, durante os treinos, ouviram explosões e tiveram de "correr para a cave com os fatos de banho molhados".

"Lotaria"

A treinadora da equipa ucraniana há mais de vinte anos, Svitlana Sayidova, é originária de Kharkov. Deixou a cidade após o início da guerra, mas entretanto regressou.

Uma fotografia de infância na cozinha de Maryna mostra Sayidova com um grupo de jovens nadadores. As gémeas posam na fila da frente, segurando medalhas.

As irmãs Aleksiiva começaram a praticar o desporto em crianças, sob a orientação de uma treinadora local, Maryna Krykunova, que hoje desenha os seus fatos de banho.

"Desde o momento em que entraram na piscina e as vi, tive a certeza de que seriam futuras estrelas, porque eram grandes para a idade, magras, com uma boa postura, uma boa forma e pernas longas", recorda.

O Comité Olímpico Internacional (COI) ainda não tomou uma decisão final sobre a questão de saber se os russos serão autorizados a participar nos Jogos de Paris.

"Ainda não defrontámos a equipa nacional russa desde o início da guerra e esperamos nunca mais a ver", murmura Maryna.

Mas há outra coisa que também as preocupa relativamente à competição: a natação artística tem um novo sistema de pontuação que, em teoria, deveria promover uma maior objetividade, menos centrada no desempenho artístico e mais na execução técnica.

Para Marya Krykunova, trata-se de uma "lotaria".

"Parece muito pouco artístico e lamentável", diz Maryna Aleksiiva, que receia que as piores equipas possam ganhar.

"Temos de fazer o possível e o impossível para que os jurados reajam a todos os elementos que incluímos no nosso programa, para que tudo seja perfeito", afirma Vladyslava.

"Faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para o conseguir", promete.