Opinião: A ascensão de Jannik Sinner - um novo candidato aos Grand Slams em 2024?

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Opinião: A ascensão de Jannik Sinner - um novo candidato aos Grand Slams em 2024?
Jannik Sinner vai apostar nos slams em 2024
Jannik Sinner vai apostar nos slams em 2024
Profimedia
Vencedor de títulos em Montreal, Viena e Pequim, finalista do ATP Finals e jogador em destaque no triunfo da Itália na Taça Davis, Jannik Sinner viveu os últimos meses de 2023 com orgulho. Não menos importante, com duas vitórias numa quinzena contra Novak Djokovic, o mundo do ténis pergunta-se agora, e com razão: Será que ele vai ganhar um Grand Slam em 2024?

No entanto, a excelente forma no final da época de todos os jogadores que não se chamam Djokovic deve ser encarada com uma pitada de sal. Por exemplo, depois de vencer o ATP Finals pela primeira vez em 2018, Alexander Zverev teve uma época horrível no ano seguinte, ganhando apenas um título em Genebra e não conseguindo chegar a nenhuma meia-final do Grand Slam.

Algo semelhante aconteceu a Stefanos Tsitsipas um ano mais tarde, uma vez que venceu apenas dois torneios em 2020, o Masters de Monte Carlo e um triunfo em Lyon. No entanto, chegou à final de Roland Garros e às meias-finais do Open da Austrália.

Zverev fez melhor em 2021, quando voltou a ganhar o ATP Finals e venceu o Masters de Madrid e Marselha no ano seguinte. Uma lesão horrível no tornozelo impediu-o então de chegar às meias-finais do Open de França.

Daniil Medvedev também mostrou que uma forma brilhante durante a fase final da época não tem necessariamente de significar algo de mau: em 2021, chegou à final do Open da Austrália e, no final do verão, garantiu o seu primeiro e até agora único Grand Slam no Open dos Estados Unidos.

O que estas estatísticas mostram, no entanto, é que uma andorinha não faz a primavera. Um final de época forte não significa que se seguirá um ano igualmente forte.

O progresso constante de Sinner

No entanto, Sinner é tudo menos uma andorinha. Aos 22 anos, o italiano tem mostrado uma melhoria constante de época para época desde o seu primeiro ano na digressão em 2019, simbolizada pelas suas corridas na Taça Davis: chegou aos quartos de final com a Itália em 2021, às meias-finais em 2022 e à vitória em 2023.

O crescimento também pode ser claramente visto nos resultados dos Grand Slams: atingiu os seus primeiros quartos de final do Grand Slam no Open de França em 2020, três numa época em 2022 e a sua primeira presença nas meias-finais em Wimbledon em 2023.

Chegou aos oitavos de final dos torneios Masters 1000 pela primeira vez em 2020, alcançou uma final nesta categoria pela primeira vez no Open de Miami em 2021 e chegou a três quartos de final em 2022.

Na época de 2023, venceu pela primeira vez o Open do Canadá e chegou a outra final em Miami, bem como a mais duas meias-finais.

Djokovic proporciona curva de aprendizagem

A vitória na Taça Davis em Málaga e a chegada à final em Turim foram as consequências de uma evolução constante de Sinner, mas até onde pode ir essa evolução?

Em Itália, o melhor tenista italiano de todos os tempos é já um herói nacional, e estou curioso para ver como o sul-tirolês vai lidar com a pressão trazida pela crescente expetativa de grandes títulos. Afinal de contas, só há um passo a dar depois de ganhar um torneio Masters: ganhar um Grand Slam.

Na final do ATP Finals, sucumbiu a essa pressão contra Novak Djokovic. No entanto, menos de uma semana depois, mostrou que consegue aguentar, derrotando o sérvio depois de estar a perder por três match points.

Foi uma atuação madura que deixou o mundo a ansiar por mais Sinner nos maiores palcos. Em particular, a sua escolha variada de pancadas e a potência consistentemente elevada que produz são armas que tem demonstrado de forma impressionante e repetida nos últimos meses.

Uma batalha a três pelos Grand Slams?

2024 pode, portanto, ser um grande ano para o modesto jovem de San Candido. Um ano em que ele quer chegar ao topo com o seu jogo. "Penso que ele tem boas hipóteses de ganhar um Grand Slam em 2024", afirmou recentemente o antigo profissional Greg Rusedski.

Concordo com isso. Na sua forma atual, Sinner está ao alcance de Djokovic e de Carlos Alcaraz, que já provou em 2023 que pode fazer frente ao atual número um nos maiores courts.

No verão australiano - onde o primeiro Grand Slam será disputado parcialmente em recinto fechado, onde Sinner diz sentir-se mais confortável - o número quatro do mundo poderá voar para novos patamares já em janeiro, seja como andorinha ou ave de rapina.

O autor
Flashscore