África do Sul e Inglaterra: Uma longa história de rivalidade no Mundial de Râguebi

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
África do Sul e Inglaterra: Uma longa história de rivalidade no Mundial de Râguebi
Billy Vunipola é abordado por François Louw durante a final do Campeonato do Mundo de Râguebi de 2019
Billy Vunipola é abordado por François Louw durante a final do Campeonato do Mundo de Râguebi de 2019
AFP
A África do Sul está a duas vitórias de tornar-se a primeira equipa a vencer o Campeonato do Mundo de Râguebi por quatro vezes, sendo a Inglaterra o seu primeiro adversário na meia-final de sábado.

Será o sexto encontro do Campeonato do Mundo entre as duas seleções e os Springboks vencem os ingleses por 4-1. Um potencial mau presságio para os ingleses é o facto de três dessas vitórias terem acontecido no Stade de France, o palco do jogo de sábado.

"A rivalidade existe muito antes do meu tempo", disse o capitão dos Springboks, Siya Kolisi. "Eles jogam duro".

1999

A exibição de diamante de De Beer

O defesa sul-africano Jannie de Beer tenta escapar à placagem do inglês Lawrence Dallaglio durante o jogo dos quartos de final do Campeonato do Mundo de Rugby entre a Inglaterra e a África do Sul no Stade de France em Saint-Denis, a norte de Paris, em 24 de outubro de 1999
AFP

O treinador da Inglaterra, Clive Woodward, tinha dito que queria ser julgado pelo Campeonato do Mundo, depois de um ano inexpressivo.

A improvável figura de Jannie de Beer fez com que ele comesse uma torta de humildade, já que o meia-atacante ruivo - que só jogou nos quartos-de-final devido ao problema no tendão de Henry Honiball - aproveitou a oportunidade com as duas mãos no Stade de France.

Em pouco mais de meia hora da segunda parte, de Beer fez cinco drop goals, deixando os ingleses a perder por 44-21. O total de pontos de Beer, numa equipa que incluía o atual diretor de rugby dos Boks, Rassie Erasmus, foi de 34.

"Perdi os quartos de final em 1999 com Jannie de Beer. Ainda tenho pesadelos com isso agora", disse Woodward em 2015.

De Beer, com 28 anos na altura, só disputou mais um jogo pelos Springboks, na meia-final contra a eventual campeã Austrália, que o limitou a apenas um drop goal.

2003

Wilkinson, o mais afiado, dá a Woodward a vingança

Clive Woodward segura a Taça Webb Ellis depois de vencer a final do Campeonato do Mundo de Râguebi no Estádio Olympic Park em Sydney, 22 de novembro de 2003
AFP

Woodward sobreviveu apesar de o seu desafio ter corrido muito mal - e, por sorte, a Inglaterra foi sorteada no grupo da África do Sul.

Desta vez, foram os ingleses que conseguiram uma vitória confortável, e foi o seu kicker que deu cabo dos Springboks.

Jonny Wilkinson usou todos os seus truques de remate, convertendo o tento de Will Greenwood, cobrando quatro penáltis e marcando dois golos.

Esses dois golos foram ótimos tanto para ele quanto para Woodward, mas o mais legal ainda estava por vir, nos segundos finais da prorrogação da final contra a Austrália. O gol provou que o técnico da Inglaterra estava certo sobre ser julgado - ele estava apenas quatro anos atrás.

2007

Montgomery impõe derrota pesada

Este não é um jogo que o atual selecionador inglês Steve Borthwick possa recordar com orgulho, nem mesmo o seu homólogo irlandês Andy Farrell.

Mais uma vez empatados no mesmo grupo, Borthwick estava no banco e Farrell começou no centro, com as duas equipas a voltarem ao palco dos quartos de final de 1999, o Stade de France.

A Inglaterra foi arrasada por uma África do Sul impetuosa, que marcou três tentos na humilhação de 36-0, e o elegante fullback Percy Montgomery contribuiu com 18 pontos.

O capitão da Inglaterra, Martin Corry, foi quem melhor descreveu a situação ao sair do campo com os seus jogadores: "Estamos em estado de choque".

2007

A Inglaterra paga o penálti na final

África do Sul festeja depois de vencer a final em 2007
AFP

Por incrível que pareça, o técnico Brian Ashton conseguiu levar a Inglaterra à final, derrotando a anfitriã França no Stade de France na meia-final.

Os Springboks também chegaram à final, a primeira desde a épica vitória de 1995 em casa.

O jogo foi muito mais disputado do que a partida da piscina - para felicidade dos adeptos ingleses -, mas terminou 15-6 para os Boks. Nem mesmo o talismã inglês Wilkinson conseguiu fazer outro milagre.

Os ingleses tiveram um breve momento de esperança quando Mark Cueto ultrapassou a linha, mas foi considerado que ele tinha um pé no toque.

Mais uma vez, foi Montgomery quem fez o estrago, marcando 12 dos pontos dos Boks.

"É fácil, em retrospetiva, dizer 'sim, esse foi o ponto de viragem', mas simplesmente não se sabe", disse Ashton sobre o "tento" de Cueto.

2019

Os Springboks dão uma última lição aos ingleses

Siya Kolisi, o capitão da África do Sul, ergue a Taça Webb Ellis após a vitória durante a final do Campeonato do Mundo de Râguebi de 2019 entre a Inglaterra e a África do Sul
AFP

As duas equipas voltaram a encontrar-se 12 anos depois na final, mas o vencedor foi o mesmo.

Os ingleses - treinados por Eddie Jones, que já tinha estado do lado errado da Austrália no lance do golo de Wilkinson em 2003 - não conseguiram repetir o desempenho notável da meia-final, quando superaram os All Blacks.

Os Springboks levaram a melhor no final, com o kicker Handre Pollard contribuindo com 22 pontos na vitória por 32 a 12.

Para muitos, o capitão Siya Kolisi simbolizou a vitória dos Springboks e foi a ele que Erasmus prestou homenagem.

"Houve uma fase em que Siya não tinha comida para comer e, sim, esse é o capitão e ele levou a África do Sul a conquistar esta taça e é isso que Siya é", disse Erasmus.