Emma Raducanu leva a Grã-Bretanha à final da Taça Billie Jean King

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Emma Raducanu leva a Grã-Bretanha à final da Taça Billie Jean King

Raducanu leva a Grã-Bretanha à final da Taça Billie Jean King
Raducanu leva a Grã-Bretanha à final da Taça Billie Jean KingProfimedia
A antiga campeã do US Open Emma Raducanu levou a Grã-Bretanha à final da Billie Jean King Cup no sábado, quando o Japão chegou à rodada decisiva do campeonato pela primeira vez.

Raducanu, atormentada por lesões nas costas, pulso, estômago e tornozelo desde a sua estreia no Grand Slam de 2021 em Nova Iorque, derrotou Diane Parry por 4-6, 6-1, 7-6 (7/1) para garantir uma vitória por 3-1 sobre a França em Le Portal.

Empatada a 1-1 durante a noite, Katie Boulter tinha ganho o primeiro ponto no sábado ao vencer Clara Burel por 7-5 e 6-0. Raducanu, cujo ranking caiu para 302 do mundo, já tinha derrotado a número um francesa Caroline Garcia na sexta-feira.

O Japão chegou à final pela primeira vez ao derrotar o Cazaquistão em Tóquio, com Nao Hibino a selar o ponto de vitória graças a uma dura vitória por 6-4, 3-6, 7-6 (9/7) sobre a número 50 do mundo Yulia Putintseva.

Naomi Osaka, quatro vezes vencedora de grandes torneios e ex-número um mundial, ficou de fora da ação de sábado, depois de ter ajudado o Japão a ganhar uma vantagem de 2-0 na série melhor de cinco, na sexta-feira, com a vitória sobre Putintseva.

Osaka estava a jogar no torneio pela primeira vez desde 2020, tendo perdido todo o ano passado para dar à luz o seu primeiro filho.

"Comecei a perguntar-me se estava tudo bem para mim ganhar o meu jogo - havia muitos fãs ansiosos por ver Osaka", brincou Hibino, número 79 do mundo: "Foi um misto de emoções, mas eu queria mesmo conquistar a vitória."

Iga Swiatek, número um mundial, derrotou a jovem suíça Celine Naef, de 18 anos, por 6-4 e 6-3, e levou a Polónia, que tinha uma vantagem de 2-0 em Biel, de volta à final.

Swiatek fez seis jogos consecutivos para liderar por 6-4 e 4-0, colocando a sua equipa à beira de vencer a Suíça, campeã de 2022. Naef, que ocupa o 148.º lugar no ranking, voltou a servir a 4-3, mas a tetracampeã Swiatek venceu os dois jogos seguintes.

"Estou muito feliz e orgulhoso de todos", disse Swiatek: "Foi uma semana muito divertida e estou contente por, desta vez, ter conseguido levar a minha equipa à final."

A Austrália, sete vezes campeã, chegou à final com uma vitória sobre o México em Brisbane, dando a Samantha Stosur um início vitorioso para o seu reinado como capitã.

Taylah Preston, de apenas 18 anos, venceu a experiente Marcela Zacarias, 12 anos mais velha, por 6-1 e 6-1 e colocou o empate fora do alcance do México.

"Estou a tentar não chorar neste momento, para ser sincera", disse Preston: "É uma sensação incrível e estou muito grata pela oportunidade que o Sam e o resto da equipa me deram de poder jogar e fechar o empate."

Em Bratislava, a campeã júnior do Open da Austrália, Renata Jamrichova, de 16 anos, garantiu a vitória da Eslováquia sobre a Eslovénia. A jovem venceu Veronika Erjavec, 203.ª do mundo, por 6-2 e 6-0.

"Sinto-me muito bem por estar aqui e por ter tido a confiança da nossa capitã para disputar o jogo", disse Jamrichova.

Mais tarde, no sábado, a Ucrânia tentará chegar pela primeira vez à fase final, com uma vantagem de 2-0 sobre a Roménia no segundo dia da eliminatória.

Os Estados Unidos da América vencem a Bélgica por 2-0, enquanto a Alemanha tem uma vantagem semelhante contra o Brasil.

Os oito países vencedores deste fim de semana avançam para a fase final de 12 equipas em Sevilha, em novembro, onde se juntam à anfitriã Espanha, ao atual campeão Canadá, à Itália, vice-campeã de 2023, e à República Checa, que é o wild-card.