Está na altura de sujar as meias: Quem será o novo rei da terra batida?

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Está na altura de sujar as meias: Quem será o novo rei da terra batida?
Aos 24 anos, Casper Ruud já acumulou 100 vitórias em terra batida
Aos 24 anos, Casper Ruud já acumulou 100 vitórias em terra batida
Profimedia
Os dois meses mais movimentados do circuito de ténis masculino já começaram. A habilidade dos jogadores é elevada a outro nível, os jogos estão cheios de longas trocas de bolas, são fisicamente exigentes mas definitivamente mais criativos do que noutras superfícies. Os pontos serão distribuídos em três torneios Masters, um "quinhentos" em Barcelona e, claro, finalmente no Grand Slam de Roland Garros. Bem-vindos à temporada europeia de terra batida.

Enquanto respondia às perguntas dos repórteres sobre as expectativas para as próximas semanas, Daniil Medvedev não parecia muito entusiasmado. "Há jogadores que gostam de se sujar depois de jogar em terra batida. Mas eu não gosto, não vou mentir. As meias, mais vale deitá-las fora, porque mesmo que as lave, ainda há sujidade nelas. Odeio o pó vermelho...", atirou.

Mas no seu caso, não são só as meias sujas, já que o seu registo de vitórias em courts de terra batida é de apenas 44%. Medvedev chegou aos quartos de final de Roland Garros em 2021, mas esse foi um raro sucesso nesta superfície.

Contudo, há tenistas que adoram uma temporada cheia de terra. E, acima de tudo, os adeptos adoram os momentos captados durante este período.

Lendas como Björn Borg, Guillermo Vilas e Rafael Nadal cresceram em terra batida. É este último que tem dominado a superfície durante duas longas décadas. Só esporadicamente deixou Roger Federer ou Novak Djokovic vencer sobre ela. Nos últimos dois anos, no entanto, a situação começa finalmente a mudar. E antes do início do Grand Slam de Paris, os potenciais sucessores do espanhol no trono da terra batida terão a oportunidade de mostrar as suas capacidades.

Carlos Alcaraz pode ter vencido Nadal e Djokovic em Madrid no ano passado, mas Stefanos Tsitsipas e Casper Ruud foram os jogadores mais proeminentes nesta superfície de jogo em 2022.

A terra batida como tela para artistas

Tsitsipas falhou a primeira semana de terra batida, mas está pronto para defender os seus dois últimos títulos em Monte Carlo."Quando se joga em superfícies super-rápidas, não se consegue inventar nada. É diferente na terra batida, encontras táticas, bons ângulos. É como a tela de um pintor, pode-se pintar sobre ela, essa é toda a beleza da mesma. O ténis puro é apenas jogado em terra batida", disse o grego, que ostenta um recorde de 77 vitórias e 25 derrotas na sua superfície favorita.

Mas Ruud é ainda mais fanático por este tipo de courts. Embora tenha a mesma idade que Tsitispas, já acumulou 100 vitórias em terra batida, tendo-se tornado no jogador mais jovem no ativo a atingir este marco.

No total, tem um registo de 103 vitórias e 37 derrotas, e assim que a época começou trouxe para casa um troféu do Estoril. No ano passado, chegou cinco vezes aos quartos de final de eventos de barro, o que o torna o detentor do recorde. A cereja no bolo foi a final em Roland Garros, na qual ficou aquém do soberano Nadal.

Duas tentativas de reinício

A luz do sol sobre os courts também enerva outros nomes famosos. Alexander Zverev sempre foi extremamente perigoso em terra batida, ganhando três dos seus cinco títulos de Masters em Madrid e Roma, com duas meias-finais em Monte Carlo. No entanto, estes são apenas sucessos parciais que ele obteve para atacar também os Grand Slams. E embora tenha jogado a final do Open dos Estados Unidos de 2020, diz que está a prosperar especialmente no final da primavera. "Não quero parecer arrogante, mas em Roland Garros, no ano passado, estava a jogar o meu melhor ténis em terra batida. Se eu não me tivesse lesionado, poderia ter ganho o título", recordou.

Dominic Thiem, que teve épocas fantásticas de 2016 a 2019, também está a tentar regressar. Infelizmente para si, Nadal dominou nessa altura. Mas mesmo assim, a sua presença em duas semifinais e duas finais em Roland Garros fez dele o príncipe herdeiro do barro. Em terra batida, tem o melhor registo de qualquer superfície, com 71% de sucesso (156:34). Começou a sua preparação muito cedo este ano, mas caiu nos quartos de final no Estoril, acabando depois por separar-se do treinador Nicolás Massúa. "Infelizmente, tudo chega ao fim. Concordámos em seguir juntos os nossos caminhos a partir da próxima semana", disse o austríaco, que se encontra atualmente em 111.º lugar no ranking ATP.

Lehecka está a ganhar respeito

Os fãs do ténis checo acreditam que Jiri Lehečka dará o próximo passo na terra batida. Depois das suas excelentes prestações em Melbourne e Doha, o tenista está lentamente a ganhar o respeito dos melhores jogadores do mundo e pretende continuar na superfície onde começou quando era criança. Na companhia de Tomas Berdych, com quem trabalha livremente, mostrou-se em boa forma no início do torneio em Monte Carlo, onde conseguiu derrubar o semifinalista do ano passado, Grigor Dimitrov.

Alcaraz continua à espreita

E a seguir? Os nomes anteriormente mencionados levam o seu tempo, ao contrário de Djokovic, que, prevendo-se que chegue novamente até às últimas rondas, está cada vez mais a tornar-se o alvo a abater. Alcaraz e Nadal anunciaram que vão esperar para jogar em terra batida por causa de lesões, ainda que o mais novo dos dois espanhóis tenha voltado a jogar nessa superfície em fevereiro, na América do Sul, tendo mesmo conquistado o título e um lugar na final de Buenos Aires e do Rio de Janeiro, respetivamente. Contudo, o jovem tem lidado com lesões e, nos últimos tempos, acabou por estar mais afastado dos courts do que certamente esperaria. Já Cameron Norrie, que venceu Alcaraz no Rio, deu a conhecer a sua forma em terra batida.