David Ferrer: "Alcaraz está num ano de transição"

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
David Ferrer: "Alcaraz está num ano de transição"
David Ferrer com Davidovich numa sessão de treino da Taça Davis
David Ferrer com Davidovich numa sessão de treino da Taça Davis
RFET
Carlos Alcaraz, que não vence um título há sete meses, está num "ano de transição", em que enfrenta maiores pressões para manter o nível que o levou ao topo do ténis, disse esta sexta-feira David Ferrer, capitão da equipa espanhola da Taça Davis.

"Ele é o número dois do mundo (no ranking ATP), também não se pode exigir que um jogador de 20 anos ganhe sempre", disse Ferrer numa conferência de imprensa no Rio de Janeiro.

"O Carlos jogou no último ano e meio a um nível muito elevado, ganhou dois Grand Slams, um Masters 1000. Também é verdade que é uma progressão: (no início) não se joga com tanta pressão porque se começou agora. Agora, Carlos está num ano de transição, um ano em que é lógico que haverá mais pressão porque ele tem de manter esse nível", acrescentou.

Alcaraz teve um início de época difícil, agravado por uma seca de títulos que começou depois da sua vitória em Wimbledon, em julho passado. Caiu nos quartos de final do Open da Austrália, em janeiro, nas meias-finais do ATP 250 de Buenos Aires, no sábado, e retirou-se na primeira ronda do ATP 500 do Rio, na terça-feira, com uma entorse no tornozelo direito, que o manterá de fora "durante alguns dias", disse.

A forma inconsistente surge numa altura em que o italiano Jannik Sinner, campeão australiano, se aproxima do segundo lugar do ranking mundial.

"Não se pode ganhar tudo, não me lembro do Rafa (Nadal), do Roger (Federer) ou do (Novak) Djokovic terem ganho tudo com esta idade. Eles também tiveram momentos mais críticos e é uma evolução, uma maturidade. São jogadores diferentes e o Carlos vai fazer história. Não sei a que nível, mas em Espanha será o segundo melhor da história do nosso desporto", disse Ferrer.

"Ele é inteligente, consciente e está a evoluir, por isso digo que é um jogador especial, como o Rafa, o Roger ou o Novak", disse o treinador de 41 anos.

O tenista está a participar na décima edição do torneio ATP 500 do Rio, competição que venceu em 2015.