Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

"Efeito Caitlin Clark" vai transformar o desporto feminino à medida que a época da WNBA se aproxima

Prevê-se que Caitlin Clark seja a escolha número um no draft da WNBA
Prevê-se que Caitlin Clark seja a escolha número um no draft da WNBAAFP
Depois de uma carreira universitária deslumbrante, que bateu recordes dentro e fora do campo de basquetebol, o legado de Caitlin Clark (22 anos) como ícone pioneiro do desporto feminino já está garantido.

Agora, enquanto Clark se prepara para ser escolhida como a primeira escolha no draft da WNBA da próxima semana, os especialistas prevêem que ela pode muito bem ter o mesmo tipo de efeito transformador no basquetebol profissional feminino.

Cathy Engelbert, comissária da WNBA, disse na segunda-feira que Clark e a próxima geração de jogadoras de basquetebol feminino serão os motores económicos que garantirão a solidez financeira da liga nos próximos 30 anos.

Engelbert disse à CNBC que a WNBA espera ver os seus atuais acordos com os media duplicarem de valor, passando de cerca de 50 milhões de dólares por ano para 100 milhões de dólares, quando forem negociados em 2025.

"Esperamos pelo menos duplicar os nossos direitos de transmissão", disse Engelbert.

"Os direitos de transmissão dos desportos femininos foram subvalorizados durante demasiado tempo. Por isso, temos esta enorme oportunidade numa altura em que o panorama dos meios de comunicação social está a mudar muito", acrescentou.

Momento 'Bird-Magic'?

Engelbert disse que a chegada à WNBA de Clark e de outras estrelas universitárias, como Angel Reese, da Louisiana State University, e Kamilla Cardoso, da Carolina do Sul, pode ter o mesmo tipo de impacto que a rivalidade dos anos 80 entre Magic Johnson e Larry Bird, que ajudou a criar a NBA moderna.

"Penso que estamos a preparar a liga com este próximo acordo de direitos de transmissão, não apenas para os próximos três a cinco anos, mas para os próximos 30", afirmou Engelbert.

"Se olharmos para a história dos desportos masculinos, será que vamos ter o nosso momento 'Bird-Magic' como a NBA?", questionou.

A turma da WNBA de 2024 trará consigo o público do basquetebol universitário e, significativamente, um grande número de seguidores nas redes sociais.

Os 258.000 seguidores de Clark no X, antigo Twitter, são mais de 100.000 seguidores do que Breanna Stewart, a atual jogadora mais valiosa da WNBA.

Reese - carinhosamente apelidada de "Bayou Barbie" - trará para a WNBA 415.000 seguidores no X.

O impacto de Clark na atividade do basquetebol universitário nas últimas épocas está bem documentado. Esta época, Clark e a Universidade de Iowa Hawkeyes estabeleceram ou bateram recordes de assistência em todos os seus jogos, exceto dois, de acordo com a NCAA.

'Tsunami de impacto'

O campeonato universitário de domingo, entre o Iowa de Clark e a Carolina do Sul, atraiu uma audiência média de 18,7 milhões de espectadores, segundo a rede desportiva norte-americana ESPN.

Este foi o jogo de basquetebol feminino mais visto da história e o jogo de basquetebol mais visto de qualquer tipo - masculino ou feminino, universitário ou profissional - desde 2019.

O programa de basquetebol feminino da Universidade de Iowa gerou 3.8 milhões de dólares em 2022/2023. Isso foi superior a 1.7 milhão de dólares, um ano antes.

Já há sinais de que o 'Efeito Caitlin Clark' está a começar a atingir a WNBA.

O Indiana Fever, o clube que garantirá a escolha de Clark no primeiro lugar do draft a 15 de abril, esgotou os lugares para os jogos contra o Connecticut e Los Angeles poucas horas depois de os ter colocado à venda.

Os lugares no campo para o jogo de 28 de maio com o Los Angeles, em Indianápolis, estavam a ser oferecidos por 660 dólares num site de revenda.

E não é só o Indiana que espera lucrar com o apelo de bilheteira de Clark.

Os Las Vegas Aces já anunciaram planos para mudar o seu jogo em casa, a 2 de julho, contra o Indiana, da sua Michelob Ultra Arena, com 12.000 lugares, em Las Vegas, para a T-Mobile Arena, com 20.000 lugares.

Mary Jo Kane, professora da Universidade de Minnesota e diretora fundadora do Centro Tucker de Investigação sobre Raparigas e Mulheres no Desporto, diz que Clark tem sido um "tsunami sem precedentes de impacto e influência".

"Ninguém foi capaz de capturar o tipo de magia ou de relâmpago numa garrafa como Caitlin Clark fez", disse Kane à National Public Radio.

Apesar de a sua carreira universitária ter terminado em desilusão no domingo, com a derrota para a Carolina do Sul, Clark continuou a ser o centro das atenções.

A treinadora da Carolina do Sul, Dawn Staley, agradeceu a Clark por "elevar o desporto".

"Ela carregou um fardo pesado para o nosso desporto e isso não vai parar aqui, numa digressão colegial. Quando ela for a primeira escolha no Draft da WNBA, também vai elevar essa liga", afirmou.

Clark, por sua vez, sente-se satisfeita com uma carreira universitária que redefiniu o apelo popular do desporto feminino.

"Quando nos é dada a oportunidade, o desporto feminino prospera e essa tem sido a parte mais interessante para mim nesta jornada", disse Clark, cujas conquistas nesta temporada incluíram a quebra do recorde de pontuação de Pete Maravich, de 54 anos, que é o maior de todos os tempos no basquetebol universitário.

"Começámos a época a jogar perante 55.000 pessoas e agora estamos a terminá-la perante 15 milhões de pessoas na televisão. Continua a ser cada vez melhor e isso nunca vai parar", explicou.

Clark acredita que o investimento será a chave para o sucesso do desporto feminino a longo prazo.

"Seja qual for o desporto, se acreditarmos nele da mesma forma, se investirmos nele da mesma forma, as coisas vão prosperar", disse Clark.

"É o que se vê nos outros desportos. Continuem a investir tempo, dinheiro e recursos para essas pessoas e dêem-lhes oportunidades. É isso que vai impulsionar o desporto feminino no futuro", apelou.