Funeral de Kiptum, estrela da maratona do Quénia, antecipado para sexta-feira

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Funeral de Kiptum, estrela da maratona do Quénia, antecipado para sexta-feira
Kelvin Kiptum era o favorito para ganhar o ouro nos Jogos Olímpicos de Paris
Kelvin Kiptum era o favorito para ganhar o ouro nos Jogos Olímpicos de Paris
AFP
O funeral do queniano Kelvin Kiptum, recordista mundial da maratona, que morreu num acidente de viação este mês, foi antecipado para sexta-feira, informou a federação de atletismo do país.

A morte de Kiptum, poucos meses depois de ter batido o recorde mundial da maratona e antes dos Jogos Olímpicos de Paris, chocou o seu país e o mundo do atletismo.

"Kelvin será sepultado na sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024, na sua casa em Chepkorio Village, Elgeyo Marakwet", declarou a Federação de Atletismo do Quénia.

Na semana passada, as autoridades tinham dito que ele seria enterrado a 24 de fevereiro, com o governo a prometer uma "despedida heróica" à jovem estrela da maratona.

Um responsável queniano do atletismo disse à AFP que o funeral seria uma "função de Estado" com a presença do Presidente William Ruto e que foi antecipado um dia devido à sua agenda.

Kiptum, de 24 anos e pai de dois filhos, morreu num acidente de viação a 11 de fevereiro, perto da sua casa em Eldoret, o centro de treinos a grande altitude no Vale do Rift, no oeste do Quénia. O seu treinador ruandês, Gervais Hakizimana, também morreu no acidente e uma passageira ficou ferida.

O jovem atleta tinha competido em apenas três maratonas e registou três dos sete tempos mais rápidos de sempre para a prova. Kiptum correu a maratona de Chicago em outubro em duas horas e 35 segundos, batendo o anterior recorde estabelecido pelo seu rival queniano Eliud Kipchoge em 34 segundos.

Era o favorito para ganhar o ouro nos Jogos Olímpicos de Paris, onde se esperava que enfrentasse Kipchoge pela primeira vez.

"A única forma de honrar o meu irmão Kiptum é ganhar a maratona olímpica de 2024 e trazer a vitória para casa", publicou Kipchoge no X na semana passada.

Kiptum foi o último de uma série de atletas quenianos que perderam a vida nos últimos anos e os legisladores apelaram a um melhor apoio e proteção dos talentos desportivos do país.