A vingança de Félix: português marca golo da vitória do Barcelona sobre o... Atlético (1-0)

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
A vingança de Félix: português marca golo da vitória do Barcelona sobre o... Atlético (1-0)
João Félix em grande contra a equipa com a qual tem contrato
João Félix em grande contra a equipa com a qual tem contrato
Getty Images via AFP
O Barcelona, com um golo de João Félix, quem mais, voltou às vitórias na LaLiga e, no processo, eliminou quaisquer dúvidas contra uma equipa do Atlético de Madrid que foi dominada durante três quartos do jogo. Com os três pontos conquistados, a equipa de Xavi está agora a quatro dos líderes Real Madrid e Girona.

Estava escrito no guião. Claro que estava. Tanto se falou de João Félix, da sua disputa com o Atlético, clube que detém os seus direitos até 2029, que o português tinha de ser o protagonista. Para o bem e para o mal. E escolheu o primeiro porque tem qualidade para dar e vender.

Dois portugueses no onze do Barcelona
Flashscore

Cada toque, cada passe, cada movimento que fez como um bailarino no melhor dos seus espetáculos, dando tudo como se a sua vida dependesse disso. Uma canção de amor pelo Barcelona  e de desprezo pelo Atlético, mas sem palavras. Félix falou com a bola nos pés. Com o pé esquerdo, marcou o 1-0. Foi com tudo no duelo com Nahuel Molina, encarou Oblak e, subtilmente, colocou a bola por cima do antigo companheiro.

O golo foi mais do que merecido. Deveria até ter chegado mais cedo. A equipa de Xavi entrou com mais energia, ganhando todos os duelos, assediando todos os jogadores colchoneros que se atreviam a tocar na bola. Lewandowski teve três oportunidades claras de golo, mas nenhuma delas passou perto. O mesmo aconteceu com Raphinha, constantemente apoiado pelo atual lateral Koundé. E Cancelo, também pela direita, foi um míssil.

A equipa de Simeone continuava a tirar a água, mas não conseguia tapar todos os buracos. Pedri, entrelinhas, jogava ao gato e ao rato com De Paul e Koke. Só faltou o toque final. No Atlético, Morata e Griezmann estavam desaparecidos. Mesmo assim, o francês teve a oportunidade de empatar a partida, depois de uma corrida de Llorente, mas De Jong apareceu do nada para anular o remate. Nahuel também teve uma oportunidade logo no início, mas nada mais. Foi um banho de bola. E o intervalo chegou com Oblak a negar o segundo golo a João Félix.

João Félix esteve em grande
Opta By Stats Perform

A tripla substituição de Cholo

Se pudesse, Simeone teria mudado os seus onze jogadores, mas manteve-se fiel a três: Correa, Azpilicueta e Samuel Lino entraram para o lugar de Giménez, Nahuel e Riquelme. Estava à procura de uma revolução. Mas o revolucionário continuava a ser João Félix, que provocou um amarelo e, no seu esforço defensivo, até recebeu um cartão amarelo. Quem o viu e quem o vê!

O Barcelona estava com tudo. As aproximações sucediam-se, Raphinha rematava contra o poste, mas o marcador não se mexia. E isso fez com que o Atleti acreditasse ainda mais, pois apanhou alguns contra-ataques com Griezmann e Morata. Pelo menos, já estavam a olhar para a baliza de Peña. E o domínio, então, deixou de ser tão avassalador. O Barça queria, ou tinha, de abrandar o ritmo. E os rojiblancos, mais frescos, começaram a soltar-se assim que João Félix saiu.

Xavi procurou mais pernas para segurar a reviravolta do guião e retirou o português de jogo, mas a tendência era outra. E Memphis, um ex-Blaugrana, fez encolher os corações dos Culés com um livre que acertou na trave depois de Iñaki Peña ter raspado. Uma defesa e um susto, dois em um.

O duelo terminou com a equipa madrilena a prender os catalães na área, que só respiraram com uma ação de Lewandowski que merecia ter terminado em golo. Mas não terminou, tal como o Atlético não conseguiu encontrar o alvo, com Peña a fazer mais uma vez uma gigante defesa a remate de Correa. No final, uma vitória muito meritória do Barcelona.

As estatísticas da partida
Opta By Stats Perform