Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Manchester United regista maior prejuízo trimestral após época difícil

O Manchester United registou prejuízos após uma época difícil
O Manchester United registou prejuízos após uma época difícilReuters
O Manchester United caiu ainda mais no vermelho no terceiro trimestre financeiro de uma época difícil, com o clube da Premier League a confirmar na quarta-feira a redução de postos de trabalho e um aumento dos preços dos bilhetes.

O United tem sofrido uma série de alterações desde que o bilionário britânico e patrão da INEOS, Jim Ratcliffe, adquiriu uma participação de 27,7% no clube no início deste ano e assumiu o controlo das suas operações futebolísticas. O 20 vezes campeão inglês terminou apenas em oitavo lugar na Premier League e a sua direção e proprietários têm estado a rever todos os aspectos das actividades do clube.

O United planeia reduzir cerca de 250 postos de trabalho no âmbito de um programa de despedimentos a nível de todo o clube. Os preços dos bilhetes serão aumentados em cerca de 5% para a próxima época.

Embora Erik ten Hag se mantenha como treinador principal para a nova época, o clube reformulado tem um novo diretor executivo e um novo diretor financeiro, bem como um novo diretor desportivo e um novo diretor técnico, muitos dos quais foram contratados aos rivais para impulsionar a mudança.

"O clube está a passar por uma transição significativa, tanto no campo como fora dele, nas operações da empresa, o que deverá ser muito útil nos próximos anos", afirmou Tim Fidler, gestor de carteiras da Ariel Investments, o terceiro maior investidor em acções do clube cotadas na bolsa: "Apesar das perturbações, estamos otimistas quanto às excelentes perspectivas a longo prazo do clube", acrescentou, afirmando que os planos de desenvolvimento do estádio de Old Trafford seriam fundamentais.

Na próxima época, o United vai jogar na menos lucrativa Liga Europa, graças à vitória na final da Taça de Inglaterra sobre o rival local Manchester City, em maio.

Sob a liderança da família Glazer, que continua a ser a proprietária maioritária, o clube tem sido criticado ao longo da última década por fazer grandes investimentos em jogadores, desde o argentino Ángel Di María, vencedor do Campeonato do Mundo, ao extremo brasileiro Antony.

Os salários dos jogadores e do pessoal no terceiro trimestre aumentaram 7,3%, para 91,2 milhões de libras (108,1 milhões de euros). 

O início da janela de transferências tem sido calmo e Ratcliffe deixou claro que o United não vai gastar demais na tentativa de ganhar os maiores troféus novamente.

O clube de Old Trafford registou um prejuízo líquido de 71,4 milhões de libras (84 milhões de euros) nos três meses que terminaram a 31 de março, em comparação com um prejuízo de 5,6 milhões de libras (6,6 milhões de euros) no ano anterior.

O clube espera agora uma receita anual para o ano até ao final de junho de cerca de 660 milhões de libras (782 milhões de euros) e um lucro ajustado de cerca de 140 milhões de libras (165 milhões de euros), ligeiramente abaixo dos níveis máximos de um intervalo que apresentou anteriormente.

O novo diretor executivo, Omar Berrada, vai juntar-se ao United este fim de semana, vindo da empresa-mãe do Manchester City, o City Football Group.