Médico legista afirma que Kiptum, estrela da maratona, morreu devido a ferimentos na cabeça

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Médico legista afirma que Kiptum, estrela da maratona, morreu devido a ferimentos na cabeça
Kelvin Kiptum entrou na cena da maratona em 2022 com uma estreia impressionante na distância de 26,2 milhas (42,195 km) em Valência
Kelvin Kiptum entrou na cena da maratona em 2022 com uma estreia impressionante na distância de 26,2 milhas (42,195 km) em Valência
AFP
O prodígio queniano da maratona, Kelvin Kiptum, vítima de um acidente de viação, morreu devido a graves ferimentos na cabeça, segundo Johansen Oduor, mas os exames toxicológicos ainda estão a decorrer.

O recordista mundial da maratona morreu a 11 de fevereiro, com 24 anos, num acidente perto da sua casa, na zona de Eldoret, no Vale do Rift, no Quénia.

"Descobrimos que o falecido Kelvin tinha ferimentos graves na cabeça e que tinha fraturas graves, principalmente na base do crânio", disse o patologista chefe do governo, Johansen Oduor.

Kiptum também tinha sofrido múltiplas fraturas nas costelas e tinha lesões nos pulmões, disse Oduor.

"Recolhemos amostras para análise posterior porque as circunstâncias da morte ainda estão a ser investigadas", revelou.

A polícia disse que Kiptum estava a conduzir por volta das 20:00 quando o seu carro saiu da estrada e bateu numa árvore.

O seu treinador ruandês Gervais Hakizimana, de 36 anos, também morreu no acidente, enquanto outro passageiro, uma mulher, ficou ferida.

As amostras "serão submetidas a uma análise toxicológica completa, onde poderemos ver se há alguma coisa que possa ter contribuído para o seu envolvimento num acidente de viação", disse Oduor.

Kiptum, pai de dois filhos, será enterrado na sexta-feira na casa da família em Chepsamo, perto de Eldoret.

Antes do funeral, será celebrada uma missa de réquiem na quinta-feira, na antiga escola de Kiptum, e uma cerimónia de acendimento de velas em sua honra será organizada na capital Nairobi.

Hakizimana foi sepultado no Ruanda na quarta-feira, um dia depois de se ter realizado uma vigília na casa da sua família.

Kiptum entrou na cena da maratona em 2022, com uma estreia impressionante na distância de 26,2 milhas (42,195 km) em Valência, onde registou um tempo de duas horas, um minuto e 53 segundos.

Em outubro do ano passado, em Chicago, bateu o recorde mundial, cortando 34 segundos ao anterior tempo mais rápido estabelecido pelo seu rival queniano, Eliud Kipchoge.

O jovem atleta tinha competido em apenas três maratonas e registou três dos sete tempos mais rápidos de sempre para a prova.

Era o favorito ao ouro nos Jogos Olímpicos de Paris, onde se esperava que enfrentasse Kipchoge pela primeira vez.