Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fernando Alonso admite dificuldades em superar Verstappen, mas avisa: "Tenho confiança em mim"

Fernando Alonso no Canadá
Fernando Alonso no CanadáAFP
O bicampeão do mundo falou ao AS num evento antes do Grande Prémio de Espanha. Reconheceu a supremacia do neerlandês.

Fernando Alonso  está a atravessar um período irregular. O piloto espanhol, que se destacou no ano passado com o seu Aston Martin, não conseguiu acompanhar o ritmo de Max Verstappen, dos McLarens, de Checo Pérez, Sainz e companhia no início do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 de 2024. O espanhol falou ao AS numa entrevista durante um evento em Oviedo, a sua cidade natal.

Karting: "Em primeiro lugar, permite-me manter a forma e os meus reflexos. Todas as reacções num kart são mais nítidas, tudo é mais direto para o piloto e desperta as sensações e os sentidos da condução. Além disso, venho às Astúrias para ver os meus amigos e a minha família. É um descanso para mim, depois de ter vivido três meses numa bolha entre a China, o Japão, Miami, aeroportos, hotéis de cinco estrelas, viagens... tudo o que a F1 traz, até chegar aqui às Astúrias, estar com a família e fazer um bom reset dos valores da vida".

Corridas que passam despercebidas: "Muitas. Todos os anos, em 24 corridas, há seis corridas que estão perto da perfeição. Dessas seis, há cinco que passam despercebidas ao grande público, porque nem sequer aparecem na televisão. Por outro lado, também há alturas em que temos o carro certo e estamos sempre no pódio, ou no centro das atenções, e somos elogiados por corridas que tiveram três ou quatro erros que passaram despercebidos. Colhemos os prémios quando não os merecemos, e não colhemos os prémios quando os merecemos."

Verstappen: "Mostrou que é talvez o único que, em condições difíceis, continua a ter o melhor desempenho, pelo que seria um piloto extremamente difícil de bater. Mas tenho confiança em mim próprio."

Competitividade: "Bem, temos essa dificuldade. No ano passado, a Red Bull estava na frente e tínhamos uma hipótese de pódio quando estávamos a lutar com uma Ferrari e uma Mercedes enfraquecidas e com uma McLaren em evolução. Este ano, se quisermos dar um grande passo em termos de desempenho para lutar pelos pódios, temos de passar três equipas que estão a um nível elevado. É isso que temos pela frente. Mas mais luta na frente é bom para nós, e mais equipas a lutar pela vitória também é bom para nós, porque haverá mais tensão e atividade entre elas, e esperamos conseguir pescar em águas turbulentas."