Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Mercedes diz a Sainz que está a concentrar-se em Antonelli como substituto para Hamilton

Antonelli parece estar pronto para entrar na Fórmula 1
Antonelli parece estar pronto para entrar na Fórmula 1Reuters
A Mercedes excluiu Carlos Sainz (29 anos) das escolhas para 2025, porque está a concentrar-se no jovem italiano Andrea Kimi Antonelli (17) como provável substituto de Lewis Hamilton, que vai rumar à Ferrari.

O espanhol Carlos Sainz vai ceder o seu lugar na Ferrari ao sete vezes campeão do mundo Hamilton, no final do ano, e a Mercedes ainda não encontrou outro piloto, apesar da sua experiência como vencedor de corridas.

A campeã Red Bull confirmou o mexicano Sergio Pérez como companheiro de equipa de Max Verstappen, fechando essa possibilidade a Sainz, enquanto a Mercedes parece estar pronta para confirmar Antonelli como companheiro de equipa de George Russell.

O italiano de 17 anos está atualmente a correr na Fórmula 2.

"Penso que, antes de mais, o Carlos merece um lugar de topo. Ele fez um trabalho fantástico", disse o chefe de equipa da Mercedes, Toto Wolff, à Sky Sports.

"Mas para nós, embarcámos numa rota para dizer... queremos reinventar-nos um pouco e Kimi Antonelli desempenha definitivamente um papel nesse sentido. Ainda não tomámos uma decisão para o próximo ano, mas não queríamos que o Carlos esperasse, também porque ele precisa de tomar as decisões por si próprio. É justo. Ele está a fazer um excelente trabalho", acrescentou.

Sainz é um dos principais alvos da Williams e da Sauber, sediada na Suíça, com a primeira a esforçar-se e a segunda em último lugar na classificação, mas pronta para se tornar a equipa de trabalho da Audi em 2026.

"O alvo número um é Carlos", confirmou o chefe da Williams, James Vowles.

"Estamos preparados para ter um alinhamento de pilotos que penso que vai ser um dos melhores da grelha, se for conseguido, e essa é uma era diferente para a qual estamos a entrar. Estamos a investir dezenas, se não centenas de milhões, para (levar) esta equipa de volta ao que era em termos de sucesso", acrescentou.