MotoGP: Maverick Viñales vence um magnífico GP das Américas, Miguel Oliveira em 11.º

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

MotoGP: Maverick Viñales vence um magnífico GP das Américas, Miguel Oliveira em 11.º

Grand Slam para Maverick Viñales no Grande Prémio das Américas.
Grand Slam para Maverick Viñales no Grande Prémio das Américas.AFP
Poleman, Maverick Viñales falhou o seu arranque, mas conseguiu voltar ao ritmo das coisas e comer todos os seus rivais, incluindo o prodígio Pedro Acosta, para ganhar o seu primeiro Grande Prémio desde 2021 no final de uma corrida de alto nível. O piloto português acabou por terminar no 11.º posto.

Pole position, corrida de sprint, Grande Prémio? Maverick Viñales, conquistador este fim de semana em Austin, procurava um hat-trick de vitórias e, sobretudo, o seu primeiro Grande Prémio desde 2021. Grande favorito do dia, ele teve, no entanto, de se precaver contra o regresso à forma de Marc Marquez e o espírito ardente de Pedro Acosta. Quanto aos pilotos franceses, tinham poucas expectativas, partindo do fundo da grelha.

Mas o poleman falhou completamente a sua descolagem, foi empurrado e caiu fora do tpo. Pedro Acosta aproveitou a situação para assumir a liderança da corrida, logo à frente de Jorge Martin, que foi ágil no arranque, e de Marc Marquez, o que fazia prever um novo domínio espanhol como no dia anterior. Fabio Quartararo e Johann Zarco, por sua vez, seguiram em frente, terminando na cauda do pelotão.

Numa emboscada, Francesco Bagnaia agarrou o terceiro lugar e pressionou a dupla líder, que multiplicou as suas batalhas para gáudio do público. Mas Jorge Martin conseguiu finalmente ultrapassar o seu jovem compatriota, que cometeu um erro ao tentar recuperar a liderança, o que beneficiou o mais velho Marquez, que tinha saltado Bagnaia antes e partiu em perseguição do Martinator .Acosta, por seu lado, ficou fora do pódio provisório.

A corrida ainda não tinha acabado com o espetáculo, pois Martin e Marquez tocaram-se e o oito vezes campeão do mundo caiu para o quarto lugar, provocando um reagrupamento geral. Martin tentou então afastar-se, enquanto atrás dele Acosta fez uma excelente ultrapassagem a Bagnaia, que também foi ultrapassado por Marquez.

Tudo isto era vantajoso para Jorge Martin, que estava a tentar fazer sentir a sua presença na frente da corrida. Bagnaia, por sua vez, estava à deriva e foi atacado por Maverick Viñales, que estava a fazer uma recuperação desesperada, e acabou por ultrapassar o campeão do mundo. Na frente, Pedro Acosta, com pneus médios, deu a liderança a Martin a meio da corrida, seguido por um Marquez em boa forma, que passou o seu jovem compatriota pouco depois e assumiu a liderança a dez voltas do fim, mas depois caiu, perdendo uma grande oportunidade.

Maverick Viñales não quis deixar passar a oportunidade, passando Martin para perseguir Pedro Acosta, que estava em posição de fazer história. Bat-Mav colocou uma enorme pressão sobre o seu jovem compatriota e assumiu a liderança a 8 voltas do fim. Lentamente, mas com segurança, bateu o recorde da volta e parecia estar a caminho de uma merecida vitória, tal era o seu domínio do fim de semana.

Aumentou a sua vantagem e geriu o final da corrida para conquistar a vitória, apesar de Pedro Acosta, que continuou a ser incrível e melhorou o seu terceiro lugar em Portugal com um segundo aqui. Jorge Martin acabou por ceder um precioso lugar no pódio sob a pressão deEnea Bastianini, que está de regresso ao Campeonato do Mundo. 

No que toca a Miguel Oliveira, o piloto português teve que fazer duas recuperações. Caiu para 15.º após a partida e escalou até ao 12.º lugar, mas depois viu-se novamente obrigado a subir posições quando desceu até ao 16.º posto. Recuperou e terminou na 11.ª posição. O piloto natural de Almada cortou a meta a 18,542 segundos do vencedor.