Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Fórmula 1: Max Verstappen recuperou o trono no Canadá

Max Verstappen continua a ser o mais forte
Max Verstappen continua a ser o mais forteAFP
Depois de um início de corrida chuvoso, Max Verstappen negociou o safety car melhor do que um Lando Norris em forma, e está agora de volta ao topo do Campeonato do Mundo de Pilotos.

No sábado, num cenário incrível, George Russell (Mercedes) roubou a pole position a Max Verstappen (Red Bull) no Grande Prémio do Canadá, com os dois pilotos a marcarem exatamente o mesmo tempo. O britânico podia, portanto, legitimamente apontar para a segunda vitória da sua carreira na Fórmula 1, mas o tricampeão mundial não lhe ia certamente facilitar a vida.

No entanto, a estrela do fim de semana em Montreal foi a chuva. Foi numa pista encharcada que a partida teve lugar. Mas os pilotos foram cautelosos e ninguém correu riscos irreflectidos com medo de perder tudo assim que arrancassem. Russell afastou-se rapidamente de Verstappen com visibilidade reduzida, enquanto a Haas foi a grande vencedora, tendo optado por pneus de chuva maxi.

Kevin Magnussen voltou a subir para o 4.º lugar, mas a estratégia acabou por mostrar as suas limitações, e ele fez uma paragem nas boxes desastrosa que anulou os benefícios da sua escolha. O sol apareceu, Verstappen recuperou terreno em relação a Russell, mas voltou a ceder e viu-se ameaçado por Lando Norris (MacLaren), que bateu o recorde de volta e acabou por levar a melhor sobre o neerlandês na 20.ª volta, antes de ultrapassar o britânico na volta seguinte.

Desestabilizado, Russell foi rapidamente ultrapassado por Verstappen, mas Lando Norris estava a liderar com força na frente e rapidamente abriu uma grande diferença. Em cinco voltas, ele tinha construído uma vantagem de mais de 10 segundos, mas esse foi o momento escolhido por Logan Sargeant (Williams) para sair da pista pela segunda vez, desta vez causando a intervenção do carro de segurança. Preso, Norris não regressou imediatamente às boxes e cedeu a liderança a Verstappen.

O carro voltou a sair da pista na volta 30. Enquanto Alex Albon (Williams) fez uma brilhante ultrapassagem dupla para voltar aos pontos, Charles Leclerc ( Ferrari), que tinha colocado pneus duros por alguma razão desconhecida, teve uma corrida miserável e logo ficou uma volta fora do ritmo. Na frente, Verstappen manteve-se à frente de Russell e dos MacLarens de Norris e Oscar Piastri, e a meio da corrida as posições estavam definidas.

O campeão do mundo estava agora a distanciar-se na frente da corrida, enquanto Russell se aproximava dos MacLarens. A pista secou e os carros mudaram para slicks, com Verstappen na liderança, mas Norris tentou manter-se na pista, estabeleceu um novo recorde de volta e tentou um undercut, que acabou por falhar. Ainda assim, conseguiu pelo menos ultrapassar Russell, mas este voltou rapidamente à pista.

A batalha entre os dois foi magnífica e Norris recuperou o segundo lugar na volta 51. Foi nesta altura que o safety car regressou, depois de Sergio Perez (RedBull) ter saído de pista, tal como Carlos Sainz ( Ferrari) e Albon. A Mercedes tentou uma aposta ao regressar às boxes, e quando o safety car libertou todos a 12 voltas do fim, tudo era ainda possível.

Mas apesar das nuvens ameaçadoras, Max Verstappen não estava mais sob ameaça. A aposta da Mercedes pagou dividendos, com Lewis Hamilton a bater Piastri no pódio, apenas para se ver desalojado por... Russell. No final, Esteban Ocon e Pierre Gasly, que não foram vistos durante toda a corrida, terminaram nos pontos (9.º e 10.º), o início de um período brilhante para a Alpine num fim de semana chuvoso. Mas foi o Campeão do Mundo que foi a estrela do espetáculo, ao retomar a liderança do Campeonato.