"Os velocistas africanos vão dominar", diz Letsile Tebogo, vice-campeão mundial dos 100 metros

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Mais
Publicidade
Publicidade
Publicidade

"Os velocistas africanos vão dominar", diz Letsile Tebogo, vice-campeão mundial dos 100 metros

Letsile Tebogo com confiança em alta
Letsile Tebogo com confiança em altaAFP
Letsile Tebogo, do Botswana, vice-campeão mundial dos 100 metros em 2023, está convencido de que os velocistas africanos vão dominar a época de atletismo, que culminará nos Jogos Olímpicos de Paris.

"Acredito firmemente que este é um ano africano, porque quando olhamos para Ferdy (Omanyala, do Quénia), Akani (Simbine, da África do Sul) e para mim, estamos aqui para virar uma esquina", disse Letsile Tebogo esta quinta-feira, numa conferência de imprensa em Nairobi, onde alinhará no sábado nos 200 metros no Kip Keino Classic, um encontro do circuito continental de segundo nível da Federação Internacional.

"Omanyala é o homem mais rápido de África nos 100m e eu sou o mais rápido nos 200m", disse. O queniano detém o recorde continental (9,77) desde 2021, e ele próprio tem o melhor tempo da meia volta (19,50), estabelecido no ano passado.

O atleta de 20 anos, que se distinguiu ao estabelecer um novo recorde mundial nos 300m (30,69) em Pretória, em fevereiro, tornou-se também o primeiro africano a ganhar uma medalha nos 100m nos Campeonatos do Mundo do ano passado, vencido pelo americano Noah Lyles. Em Budapeste, acrescentou uma medalha de bronze nos 200 metros à sua lista de conquistas.

Desde a retirada da lenda jamaicana Usain Bolt, em 2017, os Estados Unidos dominaram o sprint mundial masculino, conquistando as seis medalhas de ouro nos Campeonatos do Mundo nos 100 e 200 metros masculinos. Só o italiano Marcel Jacobs causou surpresa, ao sagrar-se campeão olímpico na prova de fundo em Tóquio, em 2021.

Ferdy Omanyala deverá iniciar os 100m no Kip Keino Classic, numa situação algo desconhecida.

"Esta época, mudei de treinador e agora estou a começar a época com uma mentalidade diferente. Há oito meses que não corro esta distância. Não sei como é que vai ser", avisou.

O sprint africano não se limita aos homens, e a namibiana Christine Mboma, de 20 anos, vice-campeã dos 200 metros nos Jogos Olímpicos de 2021, em Tóquio, é ainda mais provável que seja uma esperança de medalha para o continente em Paris.

Também ela regressa à competição, nos 100 metros, depois de uma ausência de vinte meses. Desportista com diferenças de desenvolvimento sexual (DDS), teve de se submeter a um tratamento para baixar os seus níveis de testosterona, em conformidade com as regras alteradas pela World Athletics em 2023 relativas aos atletas hiperandrogénicos.